Portal Opinião Pública "Jornalismo com independência e imparcialidade!"

Receita investigará auditores que ousaram investigar Gilmar Mendes por Lavagem de Dinheiro.

ByLéo Feitosa

fev 9, 2019

O secretário Especial da Receita Federal, Marcos Cintra, determinou que a Corregedoria da Receita Federal inicie imediatamente a apuração das condições em que auditores instauraram investigação contra o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes, por indícios de lavagem de dinheiro.

A informação foi divulgada em nota no site do Ministério da Economia e ratificada pelo ministro da pasta, Paulo Guedes. Na prática, o que ocorre é uma investigação da investigação.

A determinação veio após um pedido oficial do presidente do STF, ministro Dias Toffolli, por “providências cabíveis” sobre o caso. Na sexta-feira 8, a coluna Radar, de VEJA, noticiou que a Receita abriu um trabalho para identificar focos de corrupção, lavagem de dinheiro, ocultação de patrimônio ou tráfico de influência do ministro Gilmar Mendes e de sua mulher, a advogada Guiomar Mendes.

Leia também!  Prefeitura de Medeiros Neto comemora sucesso no primeiro dia da Feira Cidadã com participação das secretarias municipais.

O relatório de maio de 2018 aponta uma variação patrimonial de 696.396 reais do ministro em 2015 e relata “indícios de lavagem de dinheiro” nas contas de Guiomar.

Embora a movimentação financeira do casal seja alta (apenas em 2016, foram 17,3 milhões de reais), especialistas ouvidos pela coluna acharam a conclusão do relatório precipitada.

Ao Estadão, o ministro disse que a Receita não pode ser convertida em uma Gestapo, em referência à polícia do regime nazista que investigava e torturava opositores.

Leia também!  Prefeitura de Medeiros Neto leva atendimento de diferentes especialidades para população da Vila Mutum.

“A Receita não pode ser convertida numa Gestapo ou num organismo de pistolagem de juízes e promotores”, disse Gilmar. “Agora, se eles fazem isso com ministro do STF, o que não estarão fazendo com o cidadão comum?”, completou.

Já Guiomar disse estar “perplexa” e “indignada” e que sua atuação profissional “sempre se pautou pelo respeito às instituições e àqueles que as integram e pela observância aos valores éticos e morais inerentes ao exercício da advocacia.” Ela colocou a disposição suas movimentações bancárias.

Por: Opinião Pública/ Da Redação/ Fonte: Revista Veja/

Faça aqui seu comentário!