Portal Opinião Pública "Jornalismo com independência e imparcialidade!"

Um advogado e outros oito homens são presos acusados de invasão de propriedade, agressão e danos ao patrimônio da empresa Veracel.

ByLéo Feitosa

jul 21, 2019

Nove pessoas foram presas na manhã do último sábado, dia 20 de julho, por meio de uma operação conjunta das polícias Civil e Militar, entre eles o advogado, Mário Júnior Pereira Amorim, por promoverem um ataque criminoso ( invasão ) a sede da empresa de celulose Veracel, no município de Eunápolis-BA, no último dia 2 de julho deste ano, segundo informou a Secretaria de Segurança Pública (SSP-BA).

Na ação o grupo teria incendiado seis veículos de uma empresa terceirizada da Veracel, e deixado três funcionários feridos.

Ainda de acordo com a SSP, o grupo foi preso por invasão de propriedade, queima de veículos, agressão contra segurança, corte de árvores, entre outro delitos.

Leia também!  Mutirão de Prevenção contra o HPV e outras doenças continua nesta sexta-feira(12); confira local de atendimento.

Cinco dias antes das ações criminosas realizada pelos mesmo, os envolvidos foram retirados da área invadida por meio de decisão judicial, o que pode ter motivado a ação criminosa.

Foram presos além do advogado Mário Júnior Pereira Amorim, os acusados, Geraldo Pereira dos Santos, Rogério Silva da Rocha, Derolino Pereira dos Santos, Nival Miguel da Silva, Raimundo da Rocha, Cláudio Francisco de Oliveira, Nilson de Oliveira Gonçalves e Adenildo Batista da Rocha, e segundo informação todos possuíam mandado de prisão em aberto.

Leia também!  Prefeitura de Medeiros Neto começa a receber megaestrutura para Feira Cidadã.

Um décimo envolvido não foi encontrado e é considerado foragido.

“Chegamos ao grupo após análise de câmeras de segurança, depoimentos de testemunhas e ações de inteligência. Seguimos procurando o décimo integrante”, relatou o titular da 23ª Coordenadoria Regional de Polícia do Interior (Coorpin/Eunápolis), delegado Moisés Damasceno.

 

A ação criminosa foi filmada pelos seguranças, que não reagiram ao ataque.

Por: Portal Opinião Pública/ da Redação/

Faça aqui seu comentário!