Portal Opinião Pública "Jornalismo com independência e imparcialidade!"

Perfis online programados para incitar ódio contra o STF ligados a Bolsonaro estão sob investigação.

ByLéo Feitosa

mar 23, 2019

Alexandre de Moraes, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), ordenou buscas em cidades dos estados de São Paulo e Alagoas na última quinta-feira (21/3), como primeira diligência do inquérito aberto para investigação dos ataques à Corte. Foram decretadas medidas para bloquear contas online dedicadas a disparar mensagens que incitam ódio ao Supremo. Existe a suspeita de que essas ações sejam pagas por partes interessadas em desestabilizar o poder Judiciário.

Ainda na quinta-feira, outras diligências eram aguardadas. Não houve divulgação de mais detalhes, uma vez que o inquérito está sendo mantido sob sigilo. A Delegacia de Crimes Virtuais de São Paulo — criada quando Moraes era secretário de Segurança Pública do estado — dá suporte a investigação. Na terça-feira (19), o ministro afirmou que os posts encorajavam ações do que ele chamou de “pessoas perturbadas”, culminando em crimes.

Leia também!  Prefeitura Municipal prestigia Jubileu de Diamante da Diocese de Teixeira de Freitas/Caravelas.

Dias Toffoli, presidente do tribunal, abriu o inquérito na semana passada. Essa abertura é classificada como “de ofício”, ou seja, não houve um pedido Ministério Público — tipo de conduta mais comum. E não faltaram críticas de procuradores em relação à ação. Porém, de acordo com, Toffoli, a abertura de inquérito de ofício está prevista em Regimento.

Para o prosseguimento da investigação, Alexandre de Moraes solicitou os serviços dos setores de inteligência da Polícia Militar e da Polícia Civil de São Paulo, além de um delegado da Polícia Federal, que já está no caso.

Leia também!  A casa caiu! Examinador da 24ª CIRETRAN e liderança do PT é preso acusado por crime de falsificação de documentos em Teixeira de Freitas.

Ainda na terça-feira (19/3), Moraes explicou que a investigação será transferida para a primeira instância do Judiciário caso suspeitas contra pessoas sem direito ao foro especial surjam. Ainda de acordo com o ministro, diligências necessárias — quebras de sigilo ou buscas e apreensões, por exemplo — serão determinadas por ele mesmo. Isso faz com que a participação do Ministério Público seja dispensável, o exato oposto do que costuma ocorrer.  

Por: Opinião Pública/ Da Redação/ Olhar Digital/

Faça aqui seu comentário!