Portal Opinião Pública "Jornalismo com independência e imparcialidade!"

Notificação: Escândalo da compra da Fibria pela Suzano ganha repercussão.

ByLéo Feitosa

jan 12, 2019

A negociação envolvendo a venda da Fibria para a Suzano, duas das principais fábricas de celulose do Brasil e do mundo, está ganhando repercussão negativa em âmbito internacional. O advogado e ex-prefeito de Nanuque (MG), Teodoro Saraiva, enviou uma notificação às principais autoridades brasileiros e estrangeiras contra a reorganização societária das duas empresas, prevista para ser consolidada na próxima segunda-feira (14 de janeiro). O objetivo é informar ao poder público sobre o que ele considera um “fato nefasto, que consiste em uma única empresa ser proprietária de mais de dois milhões de hectares de florestas de eucalipto”.

Teodoro Saraiva é autor de uma ação popular impetrada em setembro do ano passado na Justiça Federal em Teixeira de Freitas (BA) com a finalidade de sanar as irregularidades e impedir o crime contra a economia brasileira praticado pela fusão entre ambas as empresas. Segundo o advogado, a negociação foi avalizada, sem restrições, pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), órgão responsável por aprovar ou desaprovar atos envolvendo fusões e aquisições empresariais, mesmo estando em curso na Justiça Federal a ação popular que pede a suspensão dos efeitos do contrato de fusão firmado entre a Fibria e a Suzano.

O advogado argumenta que a venda da Fibria para a Suzano é ilegal, visto que, por ter como acionista majoritário a BNDESPar, subsidiária integral do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), a Fibria é uma empresa de sociedade mista e, portanto, está sujeita às regra da Administração Pública, que incluem licitação em caso de venda, o que não foi feito, ocasionando “um prejuízo substancial aos cofres públicos”.

Leia também!  Prefeitura Municipal abre jogos das quartas de final da Copa Comércio de Futsal de Medeiros Neto.

Na notificação enviada às autoridades, é informado que tanto a Suzano como a Fibria tinham conhecimento da ação popular, estando inclusive habilitadas nesse processo. “A fraude contra os interesses públicos é denunciada por robustas reportagens publicadas, que apontam a ilegalidade do negócio que criará o maior latifúndio das Américas, praticamente um país dentro do Brasil e maior que o tamanho de países, fato que deveria ser objeto de análise do CONSELHO DE SEGURANÇA NACIONAL”, diz ele no documento enviado às autoridades.

“Apesar de o negócio contrariar o que preconiza a Constituição Federal, teve a aprovação, sem restrições, do CADE, cuja isenção e independência estão sob grave desconfiança desde a divulgação da delação de executivos da JBS, que revelou acusações de pagamento de propina em troca de decisões no Conselho”, acrescenta.

Leia também!  Gratidão: Prefeito Marcelo Belitardo inaugura o CRAS IV Vila Vargas, e expressa seu sentimento de gratidão por mais essa importante realização.

Além da Suzano e da Fibria, a notificação foi enviada também ao presidente da República, Jair Bolsonaro; ao vice-presidente, Hamilton Mourão; ao ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro; ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni; ao ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva; ao ministro da Fazenda, Paulo Guedes; à procuradora-geral da República, Raquel Dodge; aos presidentes da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, e do Senado, Eunício Oliveira; ao presidente do BNDES, Joaquim Levy; aos presidentes do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, e do Superior Tribunal de Justiça (STJ), João Otávio de Noronha; ao presidente do Cade, Alexandre Barreto de Souza; ao diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Leite Valeixo; ao presidente Bolsa de Valores de São Paulo, Gilson Finkelsztain; ao presidente da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), Marcelo Barbosa; ao presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Dias Toffoli, e à Comissão Europeia.

 

Por: Opinião Pública/ Da Redação/ Fonte/ O Povo News/ 

Faça aqui seu comentário!