Portal Opinião Pública "Jornalismo com independência e imparcialidade!"

Vereador Marcos Belitardo requereu da PMTF a realização de Mutirão de Ressonância e Tomografia; o objetivo é reduzir filas de espera no setor de Regulação.

ByLéo Feitosa

out 22, 2019

 

Apesar de ser considerado um “Desafeto” do prefeito Temoteo Brito – (PP) por conta do seu irmão, o médico Marcelo Belitardo (DEM) aparecer como um dos pré-candidatos a prefeito para as eleições municipais  de 2020, mais bem avaliado pela população, o vereador Marcos Belitardo, apresentou na última sessão ordinária da Câmara Municipal, o Pedido de Providência nº-573/2019, para que seja realizado mutirão de ressonância e tomografia em parceria com a Policlínica Estadual com objetivo de reduzir as filas de espera no Setor de Regulação do município.

Leia também!  Hospital de Medeiros Neto recebe mais de um mil uniformes fruto da parceria entre Prefeitura Municipal, Usina Santa Maria e Corcovado.

 

 
Qual a importância do mutirão?

Ressonância e tomografia são exames que necessitam de maquinário e equipe especializada, a ressonância magnética (RM) por exemplo, é um exame de imagem capaz de mostrar com definição as estruturas internas dos órgãos, sendo importante para diagnosticar vários problemas de saúde, como aneurismas, tumores, alterações nas articulações ou outras lesões nos órgãos internos.

Em caráter de urgência, Belitardo solicita que seu pedido de providência seja analisado com prioridade, visando melhorias nos atendimentos relacionados à saúde e facilidade para à população, uma vez que a demanda de pacientes tem se estendido diariamente, sendo de necessidades emergenciais, para exames de ressonância e tomografia.

“Sugerimos que esse mutirão seja realizado nos finais de semana, sábado e domingo, se estendendo no decorrer da semana, com o objetivo de sanar essa pendência que tem caráter de urgência”, propõe vereador Marcos Belitardo. 

(Por Andressa Lima)

 

Leia também!  Prefeitura de Medeiros Neto começa a receber megaestrutura para Feira Cidadã.

Por: Opinião Pública/ da Redação/

Faça aqui seu comentário!