• 26 de maio de 2022 13:59

Portal Opinião Pública "Jornalismo com independência e imparcialidade!"

“UMMI, maternidade ou açougue municipal?”: Bebê tem clavícula quebrada em parto na UMMI! Pais registram B.O na Polícia Civil! Entenda o caso!

ByLéo Feitosa

jan 15, 2022

“O Açouque Municipal!”

É como está sendo chamado a Unidade Municipal Materno Infantil (UMMI), de Teixeira de Freitas-BA, nas redes sociais em razão do crescente número de casos de negligência médica, maus tratos, e até mesmo óbitos de recém-nascidos e gestantes naquela unidade hospitalar. 

Para que possamos ter uma ideia do caos instalado na UMMI, o hospital atualmente não possuí sequer um aparelho de Raio-X. O equipamentos é fundamental em qualquer hospital infantil, haja vista a natureza dos atendimentos.

Nesse caso em específico, a situação se tornou pública não apenas pela falta do equipamento, mas também porque a lesão no bebê, citada no título da matéria, teria ocorrido dentro da maternidade, no procedimento de parto do recém-nascido. 

“O pequeno Gael!”

A família do pequeno Gael procurou a delegacia de Polícia Civil de Teixeira de Freitas, para denunciar o absurdo caso de negligência e omissão médica ocorrido na Unidade Municipal Materno Infantil (UMMI), contra seu filho.

Os pais do bebê contaram que seu filho recém-nascido, teve a clavícula quebrada durante o procedimento de parto na unidade hospitalar, mas que só perceberam que a clavícula do pequeno Gael estava fraturada, pelo inchaço próximo ao ombro.

Apesar da equipe médica do hospital ter avaliado a criança logo após o seu nascimento, e ter atestado que o bebê era perfeitamente saudável, no último dia 6 de janeiro. A mãe e filho receberam alta do hospital no dia seguinte ao parto.

Em casa a mãe do bebê, a Srª Marceline Oliveira, achou o inchaço no ombro do bebê estranho, além do recém-nascido chorar muito sempre que ia ao colo, o que levou a mesma a suspeitar que a clavícula da criança estivesse quebrada, levando-o novamente para a UMMI, para ser examinado pelos médicos.

Leia também!  Adriano Souza visita o projeto social "A Esperança", e parabeniza seus idealizadores pela iniciativa.

A UMMI não tem um aparelho de Raio-X!

O que é mais curioso e absurso, é o fato que a UMMI não tem o equipamento de Raio-X, forçando o récem-nascido e a genitora seres transferidos para o Hospital Municipal- HMTF-, para que assim pudesse fazer o exame de Raio-X.

Segundo a Srª Marceline, eles foram impedidos de ir até o HMTF no carro da família, tendo que dividir espaço dentro de uma pequena ambulância, com outras mães e crianças, que também seguiam para o HMTF.

Ambulância superlotada “mães e filhos se aglomeram!”

No veículo, o recém-nascido de apenas 10 dias, teve contato com pessoas com sintomas gripais, que também eram levadas para o Hospital Municipal. Em vídeo gravado na ambulância, Marceline desabafou:

“A ambulância minúscula, olha a quantidade de pessoas. Estamos em oito aqui”.

Assista o vídeo!

Vídeo

 

Na unidade, Gael fez o exame de raio-x, que comprovou que a clavícula estava fraturada. A família não teve acesso a mais informações sobre a fratura e decidiu levar o bebê para uma consulta com um pediatra particular. Nesta consulta, o médico afirmou que a fratura aconteceu durante o parto.

 

“Dói muito saber que ele é tão pequeno e está passando por isso!”

“Agora eu tenho que me privar de pegar ele no colo, preciso deixá-lo na cama para não movimentar o braço!”

“Não ter esse acesso a ale me cortou demais!”

!Só posso carregá-lo para dar banho, amamentar””, desabafou Marceline.

Os pais do menino denunciaram o caso à polícia civil de Teixeira de Freitas e o boletim de ocorrência foi registrado na Delegacia da Mulher, que também acompanha situações que envolvem crianças.

Leia também!  Polícia Civil da Bahia realiza seleção para profissionais de saúde; veja como concorrer a uma das vagas

 

Fiscalização do vereador Bruno Barbosa! 

 

Bruno Barbosa esteve na casa dos pais do pequeno Gael, e acompanhou de perto todo o sofrimento da criança e de seus genitores, em busca não apenas de uma explicação por parte da secretaria municipal de saúde, mas também por justiça, para que outros casos como esse não se repitam mais na Unidade Municipal Materno  Infantil (UMMI).

 

ASSISTA O VÍDEO
Vídeo

O vereador Bruno Barbosa, que também é advogado, ouviu a família, elaborou um relatório detalhado de mais esse caso de negligência médica ma UMMI, e encaminhou a Comissão de Saúde da Câmara Municipal para as médidas cábíveis.

O silêncio do prefeito Marcelo Belitardo e do secretário municipal de saúde o Sr. Danilo Fernandes para os recentes casos de negligência na UMMI!

Por sua vez, e como de praxe, a prefeitura municipal de Teixeira de Freitas-BA, por meio de sua assessoria de comunicação informou que não vai se pronunciar acerca do caso!

Por: Opinião Pública/ DA REDAÇÃO/

Faça aqui seu comentário!