Portal Opinião Pública "Jornalismo com independência e imparcialidade!"

TSE nega a Bolsonaro direito de resposta e exclusão de reportagens da Folha sobre pacote de mensagens e caixa 2.

ByLéo Feitosa

out 20, 2018

O candidato Jair Bolsonaro (PSL) entrou na noite de sexta (19) no Tribunal Superior Eleitoral com pedido de direito de resposta e de exclusão da reportagem da Folha que revelou que empresas estão comprando pacotes de disparos de mensagens contra o PT no WhatsApp. Assinada, entre outros, pelo presidente interino do PSL,  a peça pede que a Justiça determine a publicação, no jornal, do direito de resposta sob o título “Folha acusa campanha de Bolsonaro sem provas”, em espaço equivalente ao ocupado pela reportagem de quinta (18).

Os advogados da campanha de Bolsonaro afirmam no pedido, que foi distribuído para o ministro Sérgio Silveira Banhos, que a Folha fez acusações sem provas com o intuito de beneficiar a candidatura de Fernando Haddad (PT). No início da noite deste sábado (20), o ministro-relator divulgou decisão em que nega o pedido da campanha de Bolsonaro de retirada imediata da Jair Bolsonaro visita Polícia Federal, no Rio de Janeiro, durante campanha no segundo turno das eleições de 2018.

Leia também!  "Olhe ele ai oh!": CAEMA prende Vice-prefeito de Alcobaça por porte ilegal de arma de fogo e embriaguez ao volante na Avenida Getúlio Vargas em Teixeira de Freitas.

“A publicação apontada pelos representantes como inverídica está situada dentro dos limites referentes aos direitos à livre manifestação do pensamento e à liberdade de expressão e informação, de alta relevância no processo democrático”, escreveu Banhos.

Leia também!  Elmar Nascimento envia emenda para novos equipamentos no aeroporto 9 de Maio e retorno dos vôos comerciais.

O ministro ressaltou ainda que é natural que pessoas públicas estejam mais expostas à opinião pública. Ele citou ainda a instauração de inquérito na Polícia Federal a pedido da Procuradoria Geral da República. Banhos determinou a citação da Folha para que apresente defesa e, após isso, intimação do Ministério Público.

 

Por: Opinião Pública/ Léo Feitosa/ Fonte: Folha de São Paulo. 

Faça aqui seu comentário!