Portal Opinião Pública "Jornalismo com independência e imparcialidade!"

MP assina dois termos de cooperação interinstitucional para proteção da criança e do adolescente.

ByLéo Feitosa

maio 5, 2019

O Ministério Público estadual promoveu hoje, dia 3 de Maio, o 7º módulo do curso ‘Gênero, Feminismos e Masculinidades’, que capacitará 60 profissionais que atuam com homens autores de violência doméstica. A programação contemplou a realização de dinâmicas de grupo, orientadas por facilitadores, com o objetivo de promover reflexão em temáticas relacionadas a masculinidades e violência de gênero.

Participam da capacitação profissionais de diversas instituições como Ronda Maria da Penha, Universidade Federal da Bahia (UFBa), 2ª Vara da Infância e Juventude e Secretaria Estadual de Políticas para as Mulheres, dentre outros órgãos.

O curso foi desenvolvido em parceria com a Secretaria de Administração Penitenciária e Ressocialização do Estado da Bahia (Seap) e faz parte do ‘Projeto Homens que Queremos Ser’, do Centro de Apoio Operacional dos Direitos Humanos (CAODH), com o apoio do Grupo de Atuação Especial em Defesa da Mulher (Gedem) e da Central de Assessoramento Técnico Interdisciplinar (Cati).

Um dos facilitadores do treinamento, o psicólogo Alexandre Santos Pereira, da Central de Apoio e Acompanhamento às Penas e Medidas Alternativas do Estado da Bahia (Ceapa), destacou que é importante a continuidade dessa parceria com o MP para a capacitação de mais profissionais nessa temática.

“Na Ceapa nós trabalhamos com pessoas em cumprimento de medida educativa. Nos preocupamos com a história de vida desses homens e buscamos conhecer o quanto eles foram violentos em seus relacionamentos. Por outro lado, enquanto mobilizadores, também estamos nos capacitando com essa troca de experiências com diversas pessoas de outras áreas”, afirmou.

Leia também!  Secretarias municipais elevam a grandiosidade da Feira Cidadã em Medeiros Neto.

A previsão é que seja realizada uma segunda edição desse curso no segundo semestre desse ano. “Recebemos mais de 400 inscrições para cerca de 60 vagas”, informou a promotora de Justiça Márcia Teixeira, coordenadora do CAODH.  Ela ressaltou que o objetivo é capacitar profissionais que possam ser multiplicadores nessa temática de violências, masculinidades e desigualdade de gênero.

“Esse curso representa uma tentativa de ressignificarmos o ser homem e o ser mulher nessa sociedade machista e sexista. Além disso, proporciona também uma reflexão acerca da violência doméstica e outros tipos de violência que são praticadas contras as mulheres e a população LGBT”, explicou.

O enfermeiro Anderson Reis de Souza, professor e pesquisador da Faculdade de Enfermagem da UFba, informou que os participantes pretendem, ao final do curso, elaborar um documento que será enviado posteriormente aos órgãos que compõem a Rede de Atenção ao Enfrentamento à Violência Doméstica, com orientações e estratégias para lidar os profissionais que atuam na área.

“Esse curso é muito enriquecedor, pois representa uma oportunidade de revisitarmos uma série de construções e repensarmos atitudes já materializadas em nossa sociedade. Enquanto homem, me vejo num processo de reconfiguração da minha masculinidade”, ressaltou.  

Controle de Agressividade

Na manhã de hoje ocorreu ainda a palestra ‘Controle da agressividade e alternativas possíveis’, que foi ministrada pelo psicólogo Felipe Melo Souza Santos, mestrando em Psicologia pela UFBa. Ele falou sobre as estratégias que os agressores desenvolvem como forma de coagir e controlar suas parcerias.

Leia também!  Prefeitura realiza formação com agentes de portaria e auxiliares de disciplina de instituições de ensino; entenda!

“Algumas pessoas ‘aprenderam’ a regular suas próprias emoções, como a raiva e frustração, violentando suas companheiras. No entanto, isso não ocorre no nível consciente”, afirmou. Ele falou ainda sobre o círculo de violência nos relacionamentos íntimos.

“Trata-se de um círculo vicioso. Algumas mulheres vão tentar confrontar o agressor, outras vão se submeter. E nos próximos episódios de agressão, elas ficarão cada vez mais submissas. Uma pessoa que está em um contexto de medo e intimidação não sabe muito bem como agir diante do agressor”, destacou.

O curso ‘Gênero, Feminismos e Masculinidades’ conta com 12 módulos semanais que totalizam 56 horas, e um 13º módulo opcional de 4h que tratará acerca da elaboração de projetos e captação de recursos. A programação inclui dinâmicas de grupos e palestras sobre o tema com especialistas convidados.

O próximo módulo ocorrerá no dia 10 de maio e contará com uma palestra sobre o tema ‘Controle da agressividade e comportamento assertivo’.

Fonte: Crédito da foto: Rodrigo Tagliaro – Rodtag

Cecom/MP – Telefones: (71) 3103-0446 / 0449 / 0448 / 0499 / 6502

 

Faça aqui seu comentário!