Portal Opinião Pública "Jornalismo com independência e imparcialidade!"

Mais Pobres: Desigualdade cresce há 17 trimestres seguidos, pior série histórica no país.

ByLéo Feitosa

ago 16, 2019

Há quatro anos e três meses, os ricos se tornam mais ricos, e os pobres mais pobres no Brasil, segundo o estudo “A Escalada da Desigualdade”, lançado ontem pela FGV (Fundação Getúlio Vargas).

A instituição afirma que o segundo trimestre de 2019 foi o 17° consecutivo de aumento na desigualdade no país e é “um recorde nas séries históricas brasileiras”.

“Nem mesmo em 1989, que constitui nosso pico histórico de desigualdade brasileira, houve um movimento de concentração de renda por tantos períodos consecutivos”, diz o estudo assinado pelo economista Marcelo Neri.

O cálculo é feito usando dados da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio) e do índice de Gini, usado mundialmente para medir a desigualdade. Os dados apontam que, desde o segundo trimestre de 2015, o país registra altas seguidas na concentração de renda.

Neste período, passaram três presidentes: até maio de 2016 o governo era de Dilma Rousseff (PT). Depois, com o impeachment, assumiu Michel Temer (MDB). Em janeiro deste ano foi a vez de Jair Bolsonaro (PSL).

Leia também!  Mucuri assume o 1º lugar no ranking da Atenção Primária à Saúde no extremo sul da Bahia.

 

Pobres perderam mais renda

 

O estudo divide as rendas familiares em estratos e mostra como a depreciação dos indicadores econômicos afetou diferentemente os grupos nos últimos 17 trimestres: A metade mais pobre teve perda acumulada de 17,1% na renda no período. Os 40% da faixa intermediária apresentaram perdas de 4,16%. Já entre os 10% mais ricos, houve incremento de 2,55% na renda.

 

Legião de pobres

 

O estudo mostra que desde o segundo trimestre de 2015 até 2017, a população vivendo na pobreza no país expandiu 33%, passando de 8,4% para 11,2% dos brasileiros (23,3 milhões de pessoas naquele ano).

“Apenas em 2015 a pobreza subiu 19,3% no Brasil, com 3,6 milhões de novos pobres”, aponta. A linha de pobreza usada pela FGV é calculada na base do dinheiro que as pessoas dispõem para viver: quem tinha menos de R$ 233 por mês, em agosto de 2018, era considerado pobre.

Leia também!  Prefeitura de Medeiros Neto leva atendimento de diferentes especialidades para população da Vila Mutum.

Uma projeção feita pelo pesquisador aponta que somente em 2030 –levando em conta o crescimento médio do PIB (Produto Interno Bruto) — a pobreza voltaria a 8,2% da população, índice similar a 2014.

“Em suma estamos falando de uma década e meia perdida no combate à pobreza. Este exercício ilustra a importância não só de combate à desigualdade de renda como políticas públicas voltadas aos mais pobres”, explica. Entre os principais fatores para o resultado, diz o estudo, está o aumento da taxa de desemprego nesse período.

 

Fonte: Folha de São Paulo/

 

Por: Opinião Pública/ Da Redação/

Faça aqui seu comentário!