• 16 de janeiro de 2022 16:03

Portal Opinião Pública "Jornalismo com independência e imparcialidade!"

“Madeira Podre”: Compra da Fibria pela Suzano “sub judice” pode ser cancelada pela Justiça em ação que aponta irregularidades na transação comercial.

ByLéo Feitosa

nov 11, 2021

 

Uma Ação Popular que pede o cancelamento da venda da Fibria pela Suzano continua correndo na Justiça e pode levar ao cancelamento da fusão bilionária, concluída em janeiro de 2018 e que criou um gigante global da celulose.

 

Isso porque em meados de outubro deste ano, foi protocolado no Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) do Estado da Bahia, um recurso de apelação contra a decisão da Justiça Federal em Teixeira de Freitas-BA, que julgou improcedente o pedido contra a Suzano S.A.

A ação Popular que é de autoria dos advogados Teodoro Saraiva Neto, Hosmário Roberto Ferreira e Irisnei Gonçalves Peixoto, processo Nº 1000237-74.2018.4.01.3313-, argumenta que a compra da Fibria pela Suzano foi irregular porque ocorreu sem o devido procedimento licitatório e participação dos órgãos de fiscalização.

O advogado que moveu a ação popular alega que nesses casos, há a necessidade de se realziar uma licitação, que na verdade seria obrigatória, devido ao grande volume de capital público envolvido no negócio pelo acionista BNDESPar – subsidiária da empresa pública BNDES. Assim, a negociação teria ocorrido sem que houvesse observância dos princípios constitucionais da Administração Pública, das regras da Lei de Licitações e da supremacia do interesse público.

Por não ter comunicado aos acionistas nas bolsas de valores sobre a existência dessa Ação Popular, a Suzano pode ser multada e sofrer sanções legais. Uma notificação já foi enviada às principais bolsas de valores do mundo onde a Suzano negocia ações informando sobre essa demanda judicial envolvendo a empresa e alertando sobre essa omissão por parte da Suzano.

Leia também!  Polícia Civil prende mulher por tráfico de drogas no Bairro Castelinho em Teixeira de Freitas.

CADE

Um dos motivos alegados pela Justiça Federal em Teixeira de Freitas para rejeitar a Ação Popular foi de que o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) não teria interesse nesse caso. No recurso ao TRF-1, o autor da Ação População afirma que a manifestação do Cade no sentido de que “não tem interesse na lide” não se presta para formação do juízo de valor da Justiça sobre o prejuízo ao patrimônio público causado pela fusão da Fibria com a Suzano!”

Afirma ainda que:

 

“Uma vez que houve sorrateira aprovação da famigerada composição pelo referido órgão de fiscalização, à revelia da Procuradora-Geral da República, uma vez que o art. 20 da Lei 12.529/20111 é categórico ao estabelecer tal imprescindibilidade”.

 

O recurso aponta que, por fatores óbvios, o Cade não demonstrou interesse na ação contra a Suzano “a fim de se esquivar de sua responsabilidade”, “na medida em que deixou de cumprir um dever constitucional ao permitir a fusão de tais empresas privadas com emprego incontestável de capital público, sem observância das exigências legais”.

Leia também!  Medeiros Neto: Através de emenda parlamentar do dep. federal Uldurico Jr., prefeito inicia pavimentação asfáltica do bairro Portelinha.

O advogado salienta que, em outubro de 1018, a Associação dos Produtores Rurais do Extremo Sul da Bahia (Apresba) ainda tentou intervir enviando ofício ao Cade solicitando sua participação no processo de análise da fusão, o que foi totalmente ignorado pela Superintendência-Geral, que emitiu seu parecer desconsiderando o pedido da entidade de classe.

Além disso, Teodoro Saraiva Neto destaca, no recurso ao TRF-1, a falta de participação das entidades representativas do setor de silvicultura na avaliação de uma negociação bilionária que causou impactos gigantescos no mercado, afetando, especialmente funcionários das empresas de celulose e fomentados, e por consequência, o interesse público.

Sendo assim, a Justiça Federal pode sim a qualquer momento cancelar a transação comercial de venda da Fibria pela Suzano. Bom vamos ver o que o futuro jurídico desse imbróglio nos reservas, haja vista que para o futuro econômico da região do extremo sul baiano, isso pode ser bom, mas pode também significar uma escalada ainda mais vertiginosa do desemprego para muitos pais de família. 

Fonte: O Povo News

 

Por: Opinião Pública/ DA REDAÇÃO/

Faça aqui seu comentário!