Portal Opinião Pública "Jornalismo com independência e imparcialidade!"

Ex-prefeito: TCM pune João Bosco Bittencourt por irregularidades em licitação do transporte escolar cometidas em 2016.

ByLéo Feitosa

set 19, 2019

A cada dia que passa a vida política do ex-prefeito de Teixeira de Freitas-BA, João Bosco Bittencourt (PT), fica mais complicada.

Desta vez o Tribunal de Contas dos Municípios-TCM– julgou parcialmente procedente termo de ocorrência lavrado contra ele, por irregularidades cometidas em diversos processos licitatórios realizados para contratação de serviço público de transporte escolar, no exercício de 2016, envolvendo as empresas D.S.K.S Expresso Transportes e Vida Nova Turismo, no valor total de R$7.357.127,36.

 

Na sessão da última quarta-feira, dia 18 setembro, o relator do processo, conselheiro Fernando Vita, determinou a formulação de representação ao Ministério Público Estadual contra o gestor, para que seja apurada a prática de ato de improbidade administrativa.

Foi determinado ainda o ressarcimento aos cofres municipais da quantia de R$134.252,09, com recurso pessoais, referente ao pagamento a maior do valor contratado – que foi valor de R$105.678,49 -, bem como a ausência de nota fiscal, na importância de R$28.573,60. O ex-prefeito foi multado em R$10 mil.

A relatoria do TCM considerou procedente a irregularidade relacionada à inexistência de manifestação da pessoa responsável pela fiscalização do contrato em diversos processos de pagamento.

Leia também!  Prefeitura Municipal abre jogos das quartas de final da Copa Comércio de Futsal de Medeiros Neto.

Também não restou esclarecida a ausência de justificativa e da cotação dos preços estimados, que serviriam para comprovar a sua compatibilidade com os praticados no mercado e no âmbito da administração pública.

Essa última irregularidade, além de descumprir o princípio da legalidade, também compromete a obediência aos princípios da economicidade e razoabilidade, vez que não há a devida confirmação da relação custo-benefício da contratação.

O ex-prefeito não apresentou a quantidade de alunos atendidos em cada percurso, bem como da demanda total de alunos transportados. Além disso, os documentos de despesas apresentados não identificam os percursos, nem os alunos beneficiados.

Leia também!  Mucuri: Transporte escolar com qualidade e segurança retorna ao município de Mucuri.

O relatório técnico apontou ainda pagamento a maior de R$105.678,49 à empresa Vida Nova Turismo, sem respaldo legal; prorrogações contratuais indevidas, realizadas através do segundo Termo Aditivo ao Contrato n° 042/2015; ausência de planilha de serviços executados junto a diversos processos de pagamento; empenhos efetuados de forma irregular; e despesas pagas indevidamente a título de Despesas de Exercício Anterior, no montante de R$206.567,48.

O Ministério Público de Contas, através do procurador de Contas Danilo Diamantino Gomes da Silva, também opinou pela procedência do termo de ocorrência.

 

Fonte: TCM-Tribunal de Contas dos Municípios do Estado da Bahia

 

 

Por: Opinião Pública/ Da Redação/

Faça aqui seu comentário!