Portal Opinião Pública "Jornalismo com independência e imparcialidade!"

Ex-candidato à governador Zé Ronaldo, é denunciado por burlar regra de licitação, quando prefeito de Feira de Santana.

ByLéo Feitosa

nov 22, 2018

O ex-prefeito de Feira de Santana e ex-candidato a governador da Bahia, José Ronaldo de Carvalho, foi denunciado ontem, dia 20, pelo Ministério Público estadual por burlar exigência de licitação em contrato realizado em abril de 2013 no valor de aproximadamente R$ 6,4 milhões entre o Município e a Cooperativa de Serviços Profissionais Especializados em Saúde (Coopersade).

Também foram denunciados o advogado Cleudson Santos Almeida e a enfermeira Denise Lima Mascarenhas. À época do contrato, eles ocupavam os cargos de subprocurador e de secretária de Saúde do Município.

Ex-prefeito de Feira de Santana e ex-candidato a governador da Bahia, José Ronaldo de Carvalho

Segundo o promotor de Justiça Tiago Quadros, autor da denúncia, o contrato irregular foi realizado como continuidade a um contrato emergencial anterior, de prestação de serviços em saúde, cuja vigência havia terminado em 4 de abril de 2013. O promotor aponta que “contratos decorrentes de casos de emergência ou de calamidade pública”, para os quais a lei autoriza a dispensa de licitação, “não podem ser prorrogados”.

Na denúncia, Quadros afirma que “os denunciados simularam a realização do processo de dispensa de licitação”, inclusive com a obtenção de orçamentos de duas empresas “completamente estranhas” ao processo de dispensa.

Leia também!  Prefeitura de Medeiros Neto e Governo do Estado promovem Feira da Saúde e Cidadania no município; veja lista de serviços.

Conforme a denúncia, o então subprocurador Cleudson Almeida, que à época era advogado trabalhista da própria Coopersade, emitiu parecer no qual teria distorcido norma estadual para driblar exigências da lei federal de licitações.

Leia também!  Medeiros Neto: Prefeitura realiza entrega de diversos kits para as mães e gestantes do programa Criança Feliz.

O promotor também ressalta que nunca foi dada publicidade ao processo ilegal de dispensa na imprensa oficial, pois o objetivo era de “não despertar a atenção” de empresas que participavam de licitação com objeto semelhante ao contrato firmado com a cooperativa.

Essa licitação foi depois revogada e a revogação publicada pelo Município em 6 de maio de 2013, dois dias antes de ser veiculado na imprensa oficial o resultado da dispensa ilegal de licitação.

Por: Opinião Pública/ Léo Feitosa/ da Redação. 

Faça aqui seu comentário!