Portal Opinião Pública "Jornalismo com independência e imparcialidade!"

Comprou, agora pague: Centrão cobra R$ 3 bi após aprovar Previdência e esvazia pautas.

ByLéo Feitosa

set 2, 2019

A conta chegou e o governo não pagou a barganha com os deputados!

O governo Jair Bolsonaro (PSL) está cada vez mais sendo cobrado pelos parlamentares do centrão para receberem o pagamento de R$ 3 bilhões em emendas negociadas para aprovação da reforma da Previdência, aprovada há 15 dias.

Líderes do centrão, formado pelos partidos como DEM, PP, PL, Solidariedade e PRB, se reuniram na noite de terça (20) com Rodrigo Maia (DEM-RJ), na Residência Oficial da Câmara, com representantes do governo e na tarde de quarta (21) fizeram outro encontro para tentar negociar com o governo.

Em um claro “tomá lá, dá cá”, outrora tão criticado por Bolsonaro, a quantia foi a maneira que o governo conseguiu encontrar para convencer (comprar) alguns voto, um dia antes da votação, para aprovação da nova Previdência. Agora, os deputados reclamam que o governo não deixou claro de onde sairá o recurso para pagar as promessas.

Leia também!  Prefeitura de Medeiros Neto comemora sucesso no primeiro dia da Feira Cidadã com participação das secretarias municipais.

Como o dinheiro ainda não chegou, nem mesmo há promessas, pautas do governo, como a proposta para ampliar as possibilidades de posse de armas, prometem andar devagar, quase parando. A sessão, por exemplo, votaria também a LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias), que estabelece parâmetros para o orçamento do ano que vem. O texto era pra ter sido aprovado antes de julho.

Pior pra educação

Quase um terço dos R$ 3 bilhões que o governo Jair Bolsonaro (PSL) remanejou para facilitar o pagamento de emendas parlamentares, e comprar os votos da reforma da Previdência, saiu do orçamento do MEC (Ministério da Educação).

O texto do Executivo remaneja para outras áreas recursos que estavam bloqueados desde fevereiro. O maior impacto negativo é na Educação. O MEC perde R$ 926 milhões, de acordo com o texto encaminhado. Ou seja: todo aquele papo de contingenciamento era lorota e o corte finalmente é oficial.

Os R$ 926 milhões representam 16% do total bloqueado no MEC neste ano, que soma R$ 5,8 bilhões. Os remanejamentos previstos no projeto atingem, na área da Educação, ações como o apoio à manutenção da educação infantil, concessão de bolsas na educação superior e básica e apoio ao funcionamento de instituições federais de ensino.

Leia também!  Segundo dia tem recorde de atendimentos na Feira Cidadã de Medeiros Neto.

Por outro lado, serão reforçados o orçamento para aquisição de veículos de transporte escolar e a rubrica de apoio à infraestrutura para a educação básica, em um valor total de R$ 230 milhões.

Já o Ministério da Defesa é o maior beneficiado, com um reforço de R$ 763 milhões em seu orçamento. Terão reforço na pasta ações como a aquisição de helicópteros, de combustíveis e lubrificantes, compra de aeronaves e a construção de um submarino de propulsão nuclear.

Por: Opinião Pública/ Da Redação/

Faça aqui seu comentário!