Portal Opinião Pública "Jornalismo com independência e imparcialidade!"

Bomba: Bolsonaro teria ameaçado de morte ex-esposa, revela Itamaraty.

ByLéo Feitosa

set 25, 2018

Ana Cristina Siqueira Valle, ex-mulher do candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, teria informado ao Itamaraty em 2011 que foi ameaçada de morte por Bolsonaro e por isso, em 2009, deixou o Brasil rumo à Noruega com o filho do casal, Jair Renan, então com 11 anos.

Ana Cristina Siqueira Valle, ex-mulher de Bolsonaro.

A informação foi publicada nesta terça-feira 25 pelo jornal Folha de S. Paulo, que teve acesso a um telegrama arquivado no órgão. À época, o casal brigava na Justiça do Rio de Janeiro pela guarda da criança.

“A senhora Ana Cristina Siqueira Valle disse ter deixado o Brasil há dois anos ‘por ter sido ameaçada de morte’ pelo pai do menor [Jair Bolsonaro]. Aduziu ela que tal acusação poderia motivar pedido de asilo político neste país”, diz o telegrama escrito pelo então embaixador do Brasil na Noruega, Carlos Henrique Cardim, e enviado a Brasília pela Embaixada Brasileira em Oslo, capital norueguesa.

Ana Cristina Valle é candidata a deputada federal pelo Podemos no Rio de Janeiro. Ela usa o nome de Cristina Bolsonaro e apoia a candidatura de Jair Bolsonaro à Presidência.

Leia também!  Prefeitura Municipal abre jogos das quartas de final da Copa Comércio de Futsal de Medeiros Neto.
Candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro

O jornal diz que Cardim reconheceu o documento e afirmou que fez o relato com base em informações prestadas pelo vice-cônsul brasileiro no país europeu. A Folha publicou no final de semana que Bolsonaro acionou o Itamaraty em 2011 para que localizasse Ana Cristina após sua viagem com o menor, que não teria sido autorizada pelo deputado.

Leia também!  Medeiros Neto: realizadas com sucesso as primeiras centenas de cirurgias de catarata no Hospital Municipal de Medeiros Neto.

A prática fugiria à norma do Itamaraty de não interferir em assuntos pessoais de brasileiros no exterior.

“Foi explicada a ela a legislação do Brasil, da Noruega. E aí ela mencionou para o vice-cônsul que estava pensando em pedir asilo. E que teria dito ao vice-cônsul que sofreu uma ameaça de morte do deputado Bolsonaro. E o vice-cônsul me transmitiu isso”, afirmou Cardim à reportagem da Folha.

 

Por: Opinião Pública/ Léo Feitosa/ Fonte:  Revista Veja (matéria na integra)

Faça aqui seu comentário!