Portal Opinião Pública "Jornalismo com independência e imparcialidade!"

Bahia: Governo do Estado assina decreto de “Situação de Emergência” que levará ajuda a mais de 15 cidades atingidas por manchas de óleo no litoral baiano.

ByLéo Feitosa

out 30, 2019
 
Governo do estado da Bahia dará inicio as ações de combate em 15 municípios baianos atingidos pela mancha de óleo que avança pelas praias da região Nordeste

Será publicado na edição de quarta-feira (30) do Diário Oficial do Estado da Bahia decreto de situação de emergência em mais de 15 municípios baianos atingidos pela mancha de óleo que avança pelas praias da região Nordeste.

Assinado pelo governador em exercício, João Leão, o documento inclui na lista as cidades de Belmonte, Cairu, Camamu, Canavieiras, Igrapiúna, Ilhéus, Itacaré, Itaparica, Ituberá, Maraú, Nilo Peçanha, Taperoá, Una, Uruçuca e Valença.

Outras seis cidades tiveram situação de emergência reconhecida pelo Estado no último dia 14 de outubro: Camaçari, Conde, Entre Rios, Esplanada, Jandaíra e Lauro de Freitas.

Leia também!  Oposição do vereador Bruno Barbosa a construção da UBS no residencial Santos Guimarães poderá prejudicar 4 mil famílias.

 

Com o decreto, fica autorizada a mobilização de todos os órgãos estaduais, no âmbito das suas competências, para envidar esforços no intuito de apoiar as ações de resposta ao desastre, reabilitação do cenário e reconstrução.

O Estado já tem atuado na identificação das áreas atingidas e na limpeza das praias, entre outras ações, a exemplo da compra de equipamentos de proteção individual (EPIs) para voluntários e no aluguel de containers para armazenamento do óleo recolhido.

Leia também!  Confira detalhes da cerimônia de encerramento da 9ª edição do Festival Gastronômico, que ocorreu na última quarta-feira, dia 03 de agosto.

 

Quem encontrar manchas de óleo na praia pode notificar o Corpo de Bombeiros (193), a Polícia Ambiental (190) ou o Inema (08000 71 14 00). É importante que a população evite as áreas afetadas e não toque ou remova os resíduos.

 

Fonte: SECOM/BA

 

 

Por: Opinião Pública/ Da Redação/

Faça aqui seu comentário!