Portal Opinião Pública "Jornalismo com independência e imparcialidade!"

Áudio vazado atribuído a cunhado de Ronaldo Baitakão, faz graves acusações ao vereador, ” se sumirem comigo foi Baitakão!”, afirma.

ByLéo Feitosa

out 9, 2019

 

A semana política de Teixeira de Freitas-BA, definitivamente está pegando fogo.

Prefeito barrado em festa da 37ª ExpoAgro, jornalista Edvaldo relatando em programa de rádio que vereador tomou “tapa”, e agora áudios vazados supostamente do cunhado do vereador Ronaldo Alves Cordeiro (PSC) “Ronaldo Baitakão”, presidente da Casa.

Os áudios estão amplamente difundidos nos mais diversos grupos de WhatsApp no município teixeirense, e trazem a toma graves e sérias acusações contra o parlamenta, que está no seu segundo mandato e ocupa a presidência da Câmara.

 

Principal líder e também articulador do prefeito Temoteo Brito, dizem nos bastidores, que Ronaldo Cordeiro, não é apenas o aliado mais fiel do gestor municipal, como também o seu “calcanhar de Aquiles”.

Leia também!  INVESTIMENTO: Agentes de Combate às Endemias – ACE recebem mais equipamentos de trabalho.

O homem no áudio seria Eliel Ferraz, cunhado de Baitakão, e relata ter muitas provas de supostos ilícitos praticados pelo grupo do vereador Ronaldo Baitakão, e se queixa de acordos não cumpridos pelo cunhado parlamentar.

Em um trecho mais polêmico afirma que se “sumirem” com ele (dando a entender que o mesmo pode ser vítima de queima de arquivo, ou crime de mando) a autoria seria do vereador, e mostra claramente que o mesmo tem medo de morrer, em virtude do que supostamente sabe.

Leia também!  Prefeitura apresenta novos carros para transporte escolar do distrito de Cachoeira do Mato; veja imagens.

Tentamos contato com o vereador Ronaldo Baitakão para que o mesmo se pronunciasse acerca da veracidade do áudio ou das acusações, mas até o fechamento dessa matéria não foi possível estabelecer contato com o parlamentar.

Fica portanto o espaço aberto para que o mesmo exerça o seu direito de resposta.

 

Ouçam o áudio. 

 

Por Opinião Pública/ da Redação/

Faça aqui seu comentário!